MODA SOCIAL |  16 de Setembro 2021 | Júlia Duvoisin

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Collab com a ONG Círculos de Hospitalidade promove encontro familiar de refugiados do Oriente Médio

Já imaginou abraçar seus filhos somente em pensamento?

Um dos maiores desafios do mundo na atualidade é a crise humanitária. 1 em cada 95 pessoas são obrigadas a fugir de suas casas, abandonando suas raízes e famílias por conta de conflitos, perseguições, violência, violação de direitos humanos ou eventos que perturbam seriamente a ordem pública. Os refugiados e imigrantes compõem assim, uma nova camada da sociedade e chegam ao Brasil já em estado de precariedade econômica e social. 

Roubados de seu lar, os refugiados sofrem ainda com o crescimento assustador da xenofobia e do fechamento de barreiras por países que poderiam oferecer suas terras para um recomeço, por conta de uma tendência global em retratá-los como indesejados, ameaçadores e problemáticos, amplificando assim, o seu sofrimento e despindo tais comunidades de sua humanidade e individualidade.

A ONG Círculos de Hospitalidade – localizada em Florianópolis, mas que transcende as barreiras brasileiras – nasce para desafiar tais narrativas, que hierarquizam a vida humana e promovem políticas hostis de acolhimento. Para Bruna Kadletz, presidente da organização, humanizar o nosso olhar a fim de enxergar o outro como parte de nós, mostra-se profundamente necessário:

“ Compreendemos que há necessidade de transformar nosso olhar e ressignificar nosso entendimento sobre refúgio, humanizando as biografias daqueles que são forçados a abandonarem os seus lares, a sua terra natal e as suas vidas a fim de buscarem refúgio em terras desconhecidas. Nossos projetos refletem esta visão e buscam colocar em prática os princípios que nos movem. “

Princípios esses que se tornaram inspiração para uma linda, impactante e esperançosa campanha chamada “Humanize o Seu Olhar”. Movidos por uma demanda constante da ONG, o projeto ousado foi criado: reunir famílias separadas pela Guerra e pela Violação de Direitos Humanos. Separadas não por escolha, mas por sobrevivência.

Assumindo o formato de uma camiseta, a esperança de pais e mães que deixaram seus filhos em seus países de origem para tentar buscar melhores condições de vida no Brasil, foi reacendida. Ao longo de 9 meses, em uma campanha que transgrediu fronteiras, conquistando centenas de pessoas pelo país e espalhando conscientização e hospitalidade, 3 famílias foram reunidas. 

Agora é a vez de Iman.

Com muita admiração pela Organização Círculos de Hospitalidade, o Projeto Cidades Invisíveis tem orgulho de embarcar nesta jornada de sucesso, confiança e amor. Em uma Collab única e impactante, transformaremos em realidade, o sonho de uma mãe Síria de reencontrar os seus três filhos. 

Dez anos após o início dos conflitos na Síria, dentro do contexto da Primavera Árabe, mais de 13,3 milhões de pessoas foram forçadas a deixar tudo para trás. Entre elas, milhares crianças que tiveram que abandonar sua infância para aprender a sobreviver à guerra. Iman e seus filhos estão nestes números. 

Porém, é necessário pensar neles como indivíduos singulares, com histórias únicas e sentimentos ímpares. 

Conheça agora a trajetória de Íman, em suas palavras, traduzidas do árabe.

Como era a vida antes da Guerra?

  • Em Damasco, Síria, eu morava com meu marido e filhos numa região calma e tínhamos a felicidade que todos desejam.  Antes da guerra, fiz curso de fisioterapia e obtive o certificado para trabalhar como fisioterapeuta. Eu planejava trabalhar e sonhava em me desenvolver profissionalmente. Queria que meus filhos estudassem e assim poderiam construir um futuro melhor.  Também sonhei em estar com eles lado a lado na realização dos seus sonhos, apoiando-os nas situações de fraqueza e ajudando-os a superar os obstáculos, principalmente aqueles erguidos pela guerra.  

 

Quais foram as consequências do conflito em sua realidade?

  • O agravamento da Guerra Síria separou-me de meus filhos e tornou este sonho distante. A guerra causou muita dor, pobreza e perdas. Os custos das necessidades básicas, como água, eletricidade, comida e combustível aumentaram muito. Eu não podia mais trabalhar e meus filhos tinham dificuldades para continuar seus estudos. 

 

Como você tomou a decisão de deixar a Síria para vir ao Brasil?

  • Meu filho mais velho ia completar 18 anos, idade em que ele seria obrigado a servir ao exército sírio. Para evitar que ele fosse arrastado para uma guerra injusta, na qual irmãos matam irmãos e vizinhos matam vizinhos, nós dois fugimos em 2018 e buscamos refúgio no Brasil.  Com intuito de proteger meu filho mais velho, deixei meu marido e outros três filhos na Síria, e viemos só nós dois para Florianópolis.
  •  Um amigo sírio nos contou que o povo brasileiro era aberto e acolhedor, e que o governo brasileiro era justo e respeitava os direitos humanos, e por essa razão escolhemos o sul do Brasil. Na época, não poderia imaginar que seria tão difícil ficar longe da minha família e que ficaríamos tanto tempo separados.
  • No Brasil sinto-me segura e acredito que o meu futuro e o futuro dos meus filhos será       melhor aqui. Aqui, tenho confiança que meus sonhos de uma vida e um trabalho decentes se tornarão realidade, mas o que me entristece é que meus filhos estão longe de mim e permanecem em um país inseguro, onde estão expostos a vários perigos.  



Você viu seus filhos neste meio tempo?

  • No final de 2020, voltei à Síria por causa da condição de saúde da minha mãe idosa. Ela estava internada no hospital em estado crítico. Foi uma viagem rápida e chegando lá, encontrei meus filhos num estado psicológico deplorável. Ainda assim, não consegui trazê-los comigo para o Brasil. Meu marido cuida deles, mas ele trabalha fora de casa o dia todo para ganhar um sustento que não é suficiente para as necessidades básicas da família. Nossos filhos acabam ficando muito tempo sozinhos e sofrem com a tristeza e a solidão. 

 

Qual é o seu sonho?

  • Tudo o que mais quero é me reunir com meus filhos, ter minha família num único local, e poder compartilhar cada momento de nossas vidas juntos. Quero vê-los crescer num ambiente saudável e sem medo dos sons de tiros, granadas e sequestros. Não desejo que eles passem por mais necessidades, sem acessar o básico da vida. Infelizmente, meus filhos moram num lugar e eu em outro. Eles dormem com lágrimas nos olhos devido ao medo constante e pedem para vir ao Brasil, a fim de se sentirem seguros ao meu lado. 
  • Eu também durmo com lágrimas em meus olhos de tanta saudade e tristeza. Nós nos comunicamos por WhatsApp quando o sinal da internet na Síria permite. Meu filho mais novo, de apenas 11 anos, chora muito ao ouvir minha voz. Ter meus filhos e meu marido ao meu lado é o recomeço da vida que tínhamos e sonhamos, e que perdemos por causa da Guerra Síria.

A venda da camiseta, que tem em sua estampa a forte obra  “Escondendo os Olhares”, do artista e parceiro do Projeto Cidades Invisíveis, Carlos Bobi, será destinada à esta campanha.
Caminhe conosco em prol da humanidade.
Apoie a reunião familiar de refugiados e imigrantes!
Humanize o seu olhar.

Júlia Duvoisin

Estudante Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Redatora do Projeto Cidades Invisíveis

Fique sempre por dentro!

Gostaria de receber nossa newsletter atualizada com todas as atualizações do que está acontecendo no projeto?
Basta colocar o e-mail abaixo e assinar!

Deixe um comentário